Professor: pessoas aderem a medidas ambientais por egoísmo

As medidas de controle do aquecimento global devem levar em conta as prioridades e a natureza humanas. Parte destas inclui características das pessoas tais como seu egoísmo e imediatismo, incluindo a necessidade que sentem em ter “alguma vantagem pessoal” na preservação do meio ambiente. Assim o professor e médico patologista Paulo Saldiva, do laboratório de poluição da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), colocou sua visão sobre a abordagem que as políticas sustentáveis devem ter.
Para fundamentar seu argumento no painel Clima e Saúde nas Megacidades, Saldiva usou como exemplo a recente apreciação no preço do álcool e a consequente migração do consumidor brasileiro para a gasolina. “O que se exige das pessoas, de ficar no escuro para poupar, tomar banho de canequinha de noite para poupar água, é irreal, elas não fazem isso. Você vê que quando o etanol ficou mais caro o consumidor não pensou em poluição regional e foi direto abastecer só gasolina!” destacou Saldiva.
Uma forma de conferir atractibilidade às medidas de combate à poluição atmosférica seria vincular os benefícios de um comportamento sustentável dos cidadãos a uma melhora da saúde. Em números, Saldiva mostrou como as impurezas na atmosfera influem na saúde do morador de grandes cidades. “A inspeção veicular gerou uma economia de US$ 4,5 bilhões em quatro anos na cidade de São Paulo pela diminuição de internações relacionadas à poluição atmosférica”, disse. De acordo com o pesquisador, 82% dos fatores que levam à pneumonia são ambientais e entre 12% e 15% dos infartos em São Paulo podem ser atribuídos à poluição atmosférica.

Fonte: Terra – Notícias

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*