Para ajudar a preservar espécies marinhas bastam ser protegidos 4% da área dos oceanos

Atualmente, das 129 espécies de mamíferos marinhos, incluindo focas, golfinhos e baleias, cerca de 25% estão sob risco de extinção. Para ajudar a preservar essas espécies, um estudo da Universidade de Stanford e da Universidade Nacional Autônoma do México afirma que bastam ser protegidos 4% da área dos oceanos.

Publicado nesta semana no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences, o trabalho elaborou um mapa de regiões essenciais para a sobrevivência dessas espécies e recomendou que medidas de proteção sejam criadas para essas áreas.

“Esta é a primeira vez que a distribuição de mamíferos marinhos é compilada e apresentada como um mapa. O mais surpreendente resultado da pesquisa é que todas as espécies podem ser ajudadas com a conservação de apenas 20 locais, que representam quase 10% do território que esses animais utilizam para sobreviver”, afirmaram Sandra Pompa e Gerardo Ceballos, coautores do estudo.

“É importante proteger os mamíferos marinhos se quisermos manter os ecossistemas oceânicos funcionais. Muitos dessas espécies são predadores no topo da cadeia alimentar e seu desaparecimento causaria impactos em todos os outros animais”, explicou Paul Ehrlich, outro coautor.

Fonte: Instituro Carbono Brasil

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , , , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*