Para a Rio+20 Ban Ki-moon pede por resoluções mais rápidas

Secretário-geral das Nações Unidas expressou frustração com o ritmo das negociações para a Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável e solicitou que participantes do evento se foquem nas questões maiores e não se percam em detalhes

Faltando menos de um mês para a Conferência nas Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), que acontece entre os dias 20 e 22 de junho no Rio de Janeiro, um documento de cerca de seis mil páginas foi criado, mas poucas decisões foram de fato tomadas. Por essa razão, o coreano Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU, pediu nesta quinta-feira (24) que os participantes da reunião apressem as negociações, a fim de conseguirem resultados concretos do encontro.

“As negociações têm sido dolorosamente lentas”, lamentou o coreano. Por causa das poucas ações criadas nos últimos eventos internacionais para estimular o desenvolvimento sustentável, uma última rodada de debates foi marcada entre os dias 29 de maio e dois de junho para que se chegue a pelo menos alguns acordos primários.

Se nem esta discussão for suficiente para estimular acordos, estes terão que ser desenvolvidos todos na Rio+20, o que torna mais difícil que a reunião chegue a resultados satisfatórios.

Por isso, Ban pediu que os participantes do encontro se atenham às questões mais importantes relacionadas ao desenvolvimento sustentável e não se percam em detalhes. Ele citou como exemplo a produção do documento introdutório do evento, que contou com inacreditáveis seis mil páginas, cortadas posteriormente para 80.

“Mas 80 páginas ainda é muito. Esse não é o momento para argumentar contra os itens pequenos. Por favor, não percam [de vista] o quadro maior. Esse não é o fim. A Rio+20 é apenas o começo de muitos processos, então deve-se ser flexível. Deve-se se elevar acima dos interesses nacionais ou interesses de grupos específicos”, comentou o secretário-geral.

Mas apesar do pessimismo generalizado a respeito da Rio+20, o coreano ainda conserva esperanças sobre os possíveis resultados a serem alcançados. “Há algum ceticismo a respeito de a conferência ser um sucesso”, observou o secretário-geral, mas acrescentou que basicamente está “otimista a respeito do resultado dessa reunião”.

Ban deseja que três principais resultados sejam definidos no evento. O primeiro é que a Rio+20 inspire um novo pensamento econômico em um momento em que o atual modelo econômico está ruindo; o segundo é que o encontro seja uma “conferência para pessoas”, o que exige que os países coloquem os interesses das pessoas em primeiro lugar para tingir o crescimento econômico; e o terceiro é que a reunião lance um apelo para o uso mais inteligente dos recursos naturais do planeta, como a água, o ar e as florestas.

Continue lendo em Instituto Carbono Brasil

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*