Negociações sobre o clima cada vez mais incertas

A conferência do clima da ONU em Durban (África do Sul) se encaminhava para um final incerto neste sábado, após a ampliação das negociações por um dia em busca de um acordo difícil para criar um marco legal que obrigue todos os países a entrar na luta contra o aquecimento global.

Após 12 dias de reuniões que deveriam ter chegado ao fim na sexta-feira, os ministros e delegados de 194 países passaram a madrugada de sábado em reuniões e análises de propostas para um texto de consenso.

A presidência sul-africana da conferência estendeu os trabalhos até sábado para buscar um acordo em três grandes temas: um regime legal que comprometa todos os países na luta contra as mudanças climáticas, a renovação do Protocolo de Kioto, que obriga as nações ricas a reduzir as emissões de gases poluentes, e a criação de um Fundo Verde para ajudar os países pequenos e em dificuldades.

A Europa propôs a renovação do Protocolo de Kioto, que tem validade até 2012, o que deixaria o planeta sem um acordo legal que obrigue os países a reduzir as emissões.

Os europeus exigem em troca que os países, em especial os grandes emissores de gases nocivos ao clima (como China, Índia, Brasil e Estados Unidos, país que nunca ratificou Kioto), aceitem um instrumento legal que torne obrigatórios seus compromissos de corte de emissões, que seria definido até 2015.

África do Sul, Brasil e quase 90 países entre os mais vulneráveis às mudanças climáticas respaldam o plano europeu, segundo a comissária europeia do Clima, Connie Hedegaard.

“Os que estão no caminho e um acordo são poucos países. São os principais emissores, como toda a semana: Estados Unidos, China, Índia”, declarou neste sábado o ministro alemão do Meio Ambiente, Nobert Röttgen.

“Um acordo é possível, mas estamos muito atrasados”, completou.

“Há muitas dúvidas se conseguiremos”, disse o alemão.

“Estamos em uma situação que é a pior, a do risco de fracasso por um problema de gestão do tempo”, alertou a ministra do Meio Ambiente da França, Nathalie Kosciusko-Morizet.

Após as negociações da madrugada, o chefe da delegação americana, Todd Stern, também manifestou preocupação com o atraso na divulgação do texto.

Stern disse que estava otimista com a possibilidade de um acordo, mas alertou que é tarde.

Ao ser questionada sobre a possibilidade de adiamento da conferência, por falta de tempo e acordo, a diretora da convenção do clima da ONU, Christiana Figueres, foi incisiva: “Hoje é o último dia da conferência. Estas especulações não ajudam o processo”, disse.

“Se nos pedirem para continuar negociando no domingo, eu estarei aqui”, disse a ministra do Meio Ambiente do Brasil, Isabella Teixeira.

Mas em seguida ela afirmou que isto não acontecerá porque um acordo será anunciado neste sábado.

“É questão de paciência”, declarou.

Fonte: Google

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*