Estudo afirma que fertilização dos oceanos pode auxiliar no combate ao aquecimento global

Durante cinco semanas, pesquisadores estudaram a Antártica e chegaram a conclusão que a fertilização dos oceanos pode ajudar a conter o aquecimento global. A análise foi descrita na revista Nature, durante a terceira semana de julho.

A fertilização, realizada no experimento, se deu em adicionar sulfato de ferro nos oceanos para favorecer a proliferação de fitoplâncton – organismos microscópicos, a exemplo das algas, que vivem próximos à superfície e servem de alimento para animais. A intenção do estudo é que esses seres capturem o gás carbônico (CO2) do fundo do mar – ação que pode vir a ser uma possibilidade de combater o aquecimento global.

O pesquisador Michael Steinke, da Universidade de Essex, no Reino Unido, explicou à AFP que o fitoplâncton faz fotossíntese em terra firme, assim como as plantas, armazenando e liberando CO2, o que ajudaria a manter a temperatura ambiente.

Pontos negativos

Contudo, a polêmica prática, que é proibida pela legislação internacional, mas liberada para fins científicos, pode trazer malefícios ao ecossistema marinho. Segundo os responsáveis pela pesquisa, houve uma proliferação de algas unicelulares (diatomáceas), que atingiu o pico um mês após o início da experiência, e causou o falecimento em massa da espécie.

A consequência foi uma massa viciosa, com o material fecal do zooplâncton (peixes, crustáceos e águas vivas), que rapidamente submergiu para o fundo do oceano. É possível encontrar fitoplânctons presos aos sedimentos no fundo do mar, após muitos anos.

Conitnue lendo em Instituto Carbono Brasil

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*