Entre 1990 e 2010 emissões dos EUA aumentaram 10,5%

Depois de cair durante dois anos devido à recessão, liberação de carbono dos Estados Unidos subiu 3,2% em 2010 em comparação com níveis de 2009; outros países como Irlanda, Japão e Rússia também aumentaram suas emissões

Diz o ditado que tudo o que é bom dura pouco, e a julgar pelos dados do novo Inventário de Gases do Efeito Estufa da Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos Estados Unidos, isso vale também para a redução de emissões nos EUA. Depois de cair durante dois anos devido à crise financeira, a liberação de carbono da maior economia do mundo voltou a subir, atingindo uma alta de 3,2% em 2010 com relação aos índices do ano anterior.

“O aumento de 2009 a 2010 foi devido principalmente a um crescimento da produção econômica, resultando em um acréscimo no consumo de energia em todos os setores, e às condições de verão muito mais quentes, resultando em um aumento na demanda de eletricidade para ar-condicionado, que foi gerada principalmente pela combustão de carvão e gás natural”, comentou a agência no relatório de seu inventário.

Em 2010, as emissões norte-americanas foram equivalentes a 6,8 bilhões de toneladas de gases do efeito estufa (GEEs), valor só superado pela China. Desde 1990, elas aumentaram em média 0,5% ao ano, o que resulta em um crescimento de 10,5% nas últimas duas décadas. Os níveis de 2010 só são menores se comparados aos de 2005 e 2007, quando o país atingiu a marca de 7,2 bilhões e 7,3 bilhões de toneladas de emissões, respectivamente.

No entanto, como o presidente dos EUA Barack Obama prometeu à ONU que até 2020 os Estados Unidos diminuiriam 17% de suas emissões com relação aos índices de 2005, talvez a redução de 5,3% que ocorreu entre 2005 e 2010 indique que a meta de Obama, ainda que necessite de esforços mais agressivos, possa ser cumprida.

Mais aumentos

Infelizmente, não foram apenas os Estados Unidos que registraram alta em suas emissões de dióxido de carbono equivalente (CO2e). Outras grandes economias do cenário mundial, talvez reagindo à recessão financeira, também liberaram mais GEEs nos últimos dois anos.

Um desses países foi a Irlanda, cujas emissões aumentaram devido à agricultura, segundo disse a agência ambiental do país na segunda-feira (16). Por causa dessa alta, a Irlanda excederá o limite da produção de GEEs dos setores que não estão incluídos no Esquema de Comércio de Emissões (ETS), o que pode fazer com que o país não atinja sua meta de redução.

Outra nação que apresentou um crescimento no carbono liberado foi o Japão, cujo aumento ficou em 4,2% em 2010 com relação a 2009. De acordo com informações publicadas nesta segunda-feira, isso significa que o governo japonês talvez tenha que comprar mais créditos de carbono. As emissões japonesas seguem com aproximadamente o mesmo nível desde 1990.

A Rússia também não escapou do aumento na liberação de GEEs. Dados publicados no site da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC) indicam que as emissões do país aumentaram 4,3% em 2010 com relação ao ano anterior. Apesar disso, A Rússia ainda está a caminho de cumprir com a sua meta no Protocolo de Quioto.

Quedas

Mas nem todos os países apresentaram crescimento nas emissões, ainda que nenhuma redução relevante tenha sido divulgada até agora. Uma das nações que conseguiu manter sua liberação de carbono relativamente estável foi a Nova Zelândia, cujo aumento foi de apenas 0,2% em 2010 em relação a 2009.
O país teve um crescimento econômico leve, aumentou sua dependência nas energias renováveis e usou menos carvão para a geração de energia, o que ajudou a frear o crescimento de GEEs. “Nossas emissões líquidas estão estimadas em menos 23,1 milhões de toneladas do que nossa meta de Quioto”, observou Tim Groser, ministro de questões climáticas da Nova Zelândia.

Continue lendo em Instituto Carbono Brasil

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>