Empresas plantam árvores para compensar perda ambiental

No período de nove meses, três mil árvores de várias espécies foram plantadas nas calçadas das principais vias de Campo Grande. O plantio, que começou em setembro de 2010, integra o projeto Via Verde – uma das ações do Plano Diretor de Arborização da Capital. De acordo com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur), existem 154 mil árvores plantadas nas áreas de calçada da cidade.

O chefe da divisão de áreas verdes da secretaria, Orsival Simões Júnior, explica que o principal objetivo do Via Verde é compensar a perda ambiental causada por empresas que iniciam a construção de empreendimentos em áreas que antes eram arborizadas. Desde o início do projeto, cinco empresas já aderiram e plantaram três mil mudas. “É no momento do licenciamento ambiental que é feito o acordo de compensação, indicando quantas árvores são necessárias e onde as empresas vão plantá-las”, explicou.
Até o momento, 14 ruas da Capital já foram beneficiadas com o plantio das mudas. Orsival Júnior explica que é feito um estudo anterior para verificar a viabilidade de plantação das espécies nos locais – a escolha inicial foi pelas ruas de maior movimento de veículos. “As árvores propiciam diversos benefícios à saúde e ao meio ambiente e o sequestro de carbono solto pelo escapamentos dos carros é um deles”, afirma.

No estudo realizado pela Semadur, verifica-se a necessidade, a espécie adequada, o tamanho da calçada, a presença de outras árvores e também a aceitação dos moradores. “Temos uma conversa prévia com os donos dos imóveis onde as árvores serão plantadas porque precisamos da parceria e precisamos que o morador se comprometa a cuidar da planta”, diz Orsival Júnior. Também é verificado se espécies já plantadas podem continuar no local.

“Muitas vezes a espécie não é adequada e já visualizamos o manejo sustentável. É por isso que há lugares em que há uma muda plantada embaixo de uma já existente”. Orsival Júnior lembra que “infelizmente há muito vandalismo e até 30% das espécies plantadas sofrem com isso”.

População
Algumas das mudas foram plantadas na avenida Presidente Getúlio Vargas, no bairro Santo Antônio. A reportagem flagrou o funileiro Armando Rios, 65 anos, em frente a um dos imóveis beneficiados regando as plantas. Ele não soube informar a espécie das árvores, mas alegremente destacou que “o que não é regado morre e se eles plantaram, temos que cuidar”.

O funileiro ainda dá exemplo maior de cuidado, dizendo que recentemente “vândalos” arrancaram os poucos galhos de uma das três árvores que ele cuida. “Ele a deixou toda torta e eu fui e arrumei direitinho, amarrei o caule porque precisamos dessas árvores”, disse.
De acordo com a Semadur, o plantio das mudas terá continuidade na avenida Três Barras, na região urbana
do Córrego Bandeira, na avenida dos Cafezais, no Anhanduizinho e na rua Albert Sabin, na região do Lagoa.

O Plano Diretor de Arborização Urbana (PDAU) de Campo Grande, implantado em setembro de 2010, prevê diversas ações para organizar, adequar e tratar das árvores da Capital. Sua aplicação está baseada em lei e o prosseguimento das ações deverá ser feito por todos aqueles que forem eleitos para administrar a cidade.

As metas do plano são a preservação da vegetação em córregos e fundos de vale, canteiros centrais, em áreas institucionais, como escolas e unidades de saúde, áreas de passeio públicas, educação ambiental, preservação da arborização existente e produção de mudas no Viveiro Municipal, que já possui 300 mil mudas de diversas espécies.

Os bairros com maior número de árvores na capital são o Aero Rancho, Moreninhas, Jardim Centro-Oeste, Universitário e Nova Lima. Segundo a Semadur, as condições das árvores em Campo Grande está assim dividida: 54% está satisfatório, 27% estão em boas condições, 14% estão em estado ruim e 15% em condição considerada “complicada”.

Fonte: Natureza Melhor

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*