Em Favelas Rio ganha prêmio mundial da prefeitura de Barcelona por programas de cidadania

A prefeitura do Rio de Janeiro venceu o prêmio City to City Barcelona FAD 2012, que reconhece soluções para conflitos e desafios urbanos em todo o mundo. A entrega do prêmio, que está na terceira edição, foi feita hoje (10) pela prefeitura de Barcelona, na Espanha.

A escolha do Rio de Janeiro entre as cidades concorrentes – São Francisco (Estados Unidos), Vancouver (Canadá), Bilbao (Espanha) e Quito (Equador), entre outras – se deveu aos resultados dos programas Morar Carioca, da Secretaria Municipal de Habitação, e UPP Social, coordenado pelo Instituto Pereira Passos, com apoio do Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-Habitat).

Com base em critérios como capacidade de transformação, simplicidade, inovação e sustentabilidade, foram contemplados com menções os projetos Luz Coletiva, no Mali, que envolve a comunidade na produção de postes a partir de estruturas de bicicleta e lâmpadas LED; e Contêiner de Habitação Temporária, desenvolvido em Onagawa, cidade japonesa afetada pelo tsunami de 2011.

De acordo com a prefeitura do Rio, os dois programas cariocas estão relacionados em um esforço de levar cidadania a moradores de favelas da cidade.

A UPP Social, lançada no ano passado, tem o objetivo de promover a integração urbana, social e econômica das áreas onde foram implantadas unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), coordenando esforços dos vários órgãos municipais e integrando as iniciativas locais às desenvolvidas pelos governos estadual e federal, além da sociedade civil e iniciativa privada.

Uma das responsabilidades do programa é articular as demandas dos habitantes dessas comunidades pacificadas com a gestão do Morar Carioca, que prevê intervenções urbanísticas nas favelas. Por meio da iniciativa, criada há dois anos, estão sendo construídos sistemas de abastecimento de água, esgotamento sanitário e drenagem pluvial.

Também são feitas ampliações de acessibilidade, instalação de iluminação pública e viária e eliminação de áreas de risco. Com investimentos de cerca de R$ 8 bilhões, o programa atendeu desde 2010 a, aproximadamente, 70 mil domicílios, e o objetivo é alcançar, até 2020, 280 mil residências.

Para o geógrafo Jailson de Souza, coordenador-geral da organização não governamental (ONG) Observatório de Favelas, o programa é “salutar” porque busca soluções diferentes da lógica de remoção das comunidades.

“Essa política é salutar porque ajuda a enfrentar um discurso recorrente que é a remoção das favelas, principalmente porque reconhece que a favela é cidade. Agora, tem uma questão fundamental que é o profundo autoritarismo do Estado. Ele (o Estado) entende que os recursos são seus e as comunidades são apenas comunicadas sobre as intervenções, que muitas vezes não levam em conta as demandas dos moradores”, ponderou.

Continue lendo em Instituto Carbono Brasil

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , , , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*