Eficiência Energética: O consumo de Energia no Brasil nas edificações residenciais

O consumo de energia elétrica no Brasil nas edificações residenciais, comerciais, de serviços e públicas, é bastante significativo. A tendência de crescimento estimada é ainda maior, devido à estabilidade da economia, aliada a uma política de melhor distribuição de renda. Isto permite o acesso da população aos confortos proporcionados pelas novas tecnologias. Soma-se a isto, a elevada taxa de urbanização e a expansão do setor de serviços. Calcula-se que quase 50% da energia elétrica produzida no país sejam consumidas não só na operação e manutenção das edificações, como também nos sistemas artificiais, que proporcionam conforto ambiental para seus usuários, como iluminação, climatização e aquecimento de água.
O potencial de conservação de energia deste setor é expressivo. A economia pode chegar a 30% para edificações já existentes, se estas passarem por uma intervenção tipo retrofit (reforma e/ou atualização). Nas novas edificações, ao se utilizar tecnologias energeticamente eficientes desde a concepção inicial do projeto, a economia pode superar 50% do consumo, comparada com uma edificação concebida sem uso dessas tecnologias. A possibilidade de aproveitar este potencial balizou a reavaliação dos principais focos de atuação do PROCEL, o que resultou na criação do subprograma, Procel Edifica, especialmente voltado à Eficiência Energética das Edificações – EEE, aliada ao Conforto Ambiental – CA.
A energia elétrica consumida no Brasil em 2008 (Fonte EPE), foi de cerca de 393 bilhões de kWh. A economia teórica em edificações residenciais, comerciais, de serviços e públicas poderia chegar aos 53 bilhões de kWh caso fosse adotada uma política agressiva para a questão do déficit habitacional brasileiro. Esta energia economizada seria suficiente para suprir anualmente cerca de 2,7 milhões de residências.
Por sua abrangência, a área de edificações está presente em todos os setores da atividade econômica do País. Isto gera a articulação entre diversas entidades das áreas governamental, tecnológica, econômica e de construção civil. Neste enfoque multissetorial, o Procel Edifica promove condições para o uso eficiente da eletricidade nas edificações, reduzindo os desperdícios de energia, de materiais, e os impactos sobre o meio ambiente.
Metas
O Programa tem como metas o desenvolvimento de um conjunto de projetos visando:
 Investir em capacitação tecnológica e profissional, estimulando a pesquisa e o desenvolvimento de soluções adaptadas à realidade brasileira, de forma a reduzir o consumo de energia elétrica nas edificações;
 Atrair um número cada vez maior de parceiros ligados aos diversos segmentos da construção civil, melhorando a qualidade e a eficiência das edificações brasileiras;
 Divulgar os conceitos e práticas do bioclimatismo, por meio da inserção do tema conforto ambiental e eficiência energética nos cursos de Arquitetura e Engenharia, formando uma nova geração de profissionais compromissados com o desenvolvimento sustentável do País;
 Disseminar os conceitos e práticas de EEE e CA entre os profissionais de arquitetura e engenharia, e aqueles envolvidos em planejamento urbano;
 Apoiar a implantação da Regulamentação da Lei de Eficiência Energética (Lei 10.295/2001) no que toca às Edificações Brasileiras, além de orientar tecnicamente os agentes envolvidos e técnicos de Prefeituras, para adequar seus Códigos de Obras e Planos Diretores.
Plano de Ação
O Plano de Ação do Procel Edifica, lançado em 2003, contou com a contribuição de diversos agentes ligados à construção civil e universidades, reunidos em Workshop, que marcou, desde sua criação, a forma participativa de atuação do Programa.
Vertentes
O planejamento estratégico, que teve como principal produto o Plano de Ação do Procel Edifica, procurou sintetizar as atividades a serem desenvolvidas para atendimento das Metas, mediante algumas trajetórias. A estas foi dado o nome de Vertentes, que classificam as próprias atividades, suas superposições e coerências. Isto não quer dizer, entretanto, que uma determinada atividade pertencente a uma Vertente, não tenha rebatimentos sobre as demais.

Para garantir a transparência e a participação dos diversos segmentos envolvidos, decidiu-se convidar instituições de comprovada competência para exercer, de forma compartilhada, a coordenação de algumas vertentes, colaborando com a ELETROBRÁS/PROCEL nas decisões quanto à forma de implementar as ações. Assim, a Universidade Federal de Santa Catarina e a Universidade Federal de Alagoas foram convidadas a exercerem a coordenação das Vertentes Subsídios à Regulamentação e Capacitação, respectivamente.
Estão em desenvolvimento projetos relativos às demais Vertentes, bem como novos segmentos, onde foram identificadas oportunidades de investimento. Nesta categoria enquadram-se convênios com Universidades e o Protocolo de Intenções assinado com a Caixa Econômica Federal. Nesse Acordo de Cooperação Técnica e Financeira, tanto a ELETROBRÁS quanto a CEF têm colaborado na elaboração da Regulamentação da Lei de Eficiência Energética, no que tange às edificações, desenvolvendo um projeto de revisão dos Kits para habitações de interesse social, financiados pela CEF e um programa de capacitação em EEE para seu corpo técnico.
Numa outra linha de atuação, o Procel Edifica busca, por meio de parcerias com órgãos da administração pública, atuar na definição de critérios e elaboração de códigos de obras para as prefeituras que determinem a adoção de medidas de sustentabilidade e Eficiência Energética. Nesta categoria insere-se a parceria com o Instituto Brasileiro de Administração Municipal – IBAM.
Para incorporar novas ações, estão previstas revisões periódicas do Plano de Ação, em Workshops que reúnam atuais e futuros parceiros, com o intuito de discutir e avaliar o andamento do programa, além de traçar novas estratégias de atuação, garantindo, assim, a atualidade e a efetividade do Programa.

Investimento
Estão previstos investimentos na ordem de R$ 3 milhões para o biênio 2009/2010.

Parcerias
Atualmente o Programa Procel Edifica conta com as seguintes parcerias:
Ministério de Minas e Energia, Ministério das Cidades, Universidades UFPA, UFRN, UFAL, UFBA, UFMG, UnB, UFMS, UFMT, UFF, UFRJ, UFSC, UFRGS, UFPel, PUCPR, CAIXA, IBAM, IAB, CBIC, FGV, USAID/ICF, CEPEL, SEBRAE-RJ, CREA e ELETROSUL.

Esta entrada foi publicada em Eficiência energética e marcada com a tag , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*