Efeito econômico da mudança climática

A destinação anual de recursos equivalentes a 1% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial até 2050 pode ajudar a mitigar os efeitos das mudanças climáticas no planeta, evitando um prejuízo na economia mundial que corresponde a 20% do mesmo PIB na economia mundial se nada for feito pelos países para impedir a redução da emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE). O alerta faz parte de um estudo sobre o tema feito pelo economista britânico Nicholas Stern, ex-economista chefe do Banco Mundial, apresentado nesta terça-feira (2-8) pela pesquisadora Carolina Dubeux, do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ). Ela foi uma das palestrantes no segundo dia do encontro Mudanças Climáticas – Combate ao Aquecimento Global e o Agronegócio, promovido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

O objetivo do encontro é colher subsídios para a elaboração do Programa de Governança Climática para uma Agricultura de Baixo Carbono (PABC), lançado pela CNA em junho e que servirá de base para as contribuições do setor agropecuário para a redução dos gases de Efeito Estufa (GEE). A idéia da CNA é transformar em vantagem competitiva no mercado internacional a adoção de práticas que tenham o objetivo de minimizar os reflexos do aumento da temperatura global sobre a produção de alimentos. Para a pesquisadora, a atividade agropecuária, principalmente a dos países em desenvolvimento, certamente será uma das afetadas com a mudança da temperatura no mundo. “Por isso precisamos de políticas de mitigação, que terão custo menor em relação ao custo da inação”, ressaltou Carolina Dubeux em sua exposição, com base no relatório.

Desta forma, a pesquisadora citou quatro alternativas para se reduzir as emissões de GEE: a redução da demanda por bens e serviços intensivos de emissão, a economia de recursos e de emissões, as emissões não energéticas e a migração de tecnologias de emissão intensiva de carbono para instrumentos de baixo carbono, uma das alternativas defendidas pelo setor agropecuário. No entanto, ela ressaltou a necessidade de se adotar políticas que incentivem a adaptação dos vários setores da economia e da população aos mecanismos de geração de baixo carbono, além da regulamentação do comércio de carbono como alternativa para estimular a redução da emissão de gases. “Quem tem custos baixos poderia vender suas cotas para quem tem custos altos de emissão”, explicou.

Política Nacional de Mudanças Climáticas – Além dos impactos da mudança do clima sobre a economia global, outro tema que pautou os debates nesta terça-feira diz respeito aos aspectos jurídicos e políticos da Política Nacional sobre Mudança do Clima (PNMC), criada pela Lei 12.187/2009. O assunto foi abordado pela advogada Flávia Frangetto, que explicou os efeitos da lei e falou sobre a necessidade de integração entre os setores públicos e privados e os poderes públicos federal, estadual e municipal. Na sua avaliação, a mitigação deve estar aliada ao desenvolvimento sustentável e as medidas devem levar em conta os diferentes contextos sócio-econômicos e a distribuição dos ônus e encargos entre os vários segmentos da economia em torno do bem comum. “Todos têm o dever de atuar em benefício das presentes e futuras gerações para reduzir o impacto decorrente das interferências antrópicas”, disse a advogada.

Fonte: Só Notícias

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*