COP 18: “Resultado foi fraquíssimo”, diz representante do WWF-Brasil

“Há um abismo moral entre a ciência, a realidade e as instruções dos governos a seus diplomatas nas negociações de clima, principalmente os de países desenvolvidos. Muitos foram à COP 18 para defender os interesses imediatos de seus governos, e não para solucionar o problema”.

Foi desta forma que o coordenador do programa de Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, Carlos Rittl, resumiu o resultado da COP 18, ocorrida em Doha, no Catar, e encerrada nos últimos dias após duas semanas de negociações consideradas fracas e insuficientes para fazer frente às mudanças climáticas.

O encontro reuniu representantes de 193 países, que integram a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. O pacote de textos aprovado no dia 8 teve como desfecho mais concreto a adoção de um segundo período para o Protocolo de Kyoto, o acordo climático que obriga os países a reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

Outros temas importantes, no entanto, não avançaram o suficiente. Como a discussão sobre de que modo as “nações ricas” vão financiar países em desenvolvimento no combate às mudanças climáticas – de maneira geral, a crise econômica mundial e falta de recursos foi um dos argumentos utilizados para que os auxílios acordados pelos países em COPs anteriores não saíssem do papel.

No entanto, a sociedade civil durante todo o evento expôs a contradição entre a falta de recursos para este financiamento e os trilhões de dólares destinados a salvar bancos nos últimos anos e destinados aos subsídios aos combustíveis fósseis.

“Não há ambição no pacote de decisões aprovado”

Representante do WWF-Brasil no encontro, Rittl fez um balanço bastante crítico sobre a COP 18. Segundo o especialista, não há mínima ambição no pacote de decisões adotadas no Catar, seja em temas como mitigação de impactos, financiamento climático, ou sobre a definição de um mecanismo global que ajude os países mais pobres a lidar com emergências climáticas como grandes tempestades, enchentes e secas severas.

Continue lendo em Instituto Carbono Brasil

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*