Com o aquecimento global, espécies tropicais vão evoluir mais rápido

O aquecimento global não deixará as espécies de áreas tropicais tão vulneráveis à extinção como os ecologistas pensavam. Um estudo da Universidade de Zurique, na Suíça, examinou como estas espécies podem evoluir e adaptar-se ao ambiente para compensar o aumento drástico da temperatura.

«Acredita-se que as alterações climáticas representam um risco maior para os organismos de sangue-frio dos trópicos (ectotérmicos) do que para as espécies de zonas temperadas e polares. No entanto, como o potencial de adaptação das espécies ao aquecimento não foi estudado nos antigos modelos, usamos esta teoria para montar um padrão para o futuro, com as respostas evolutivas [das espécies]», explica o autor do estudo, Richard Walters, agora na Universidade Reading, no Reino Unido.
Conhecidos como ectotérmicos, peixes, anfíbios, insectos e répteis têm sangue frio e sofrem elevação da temperatura corporal com o aumento do calor externo – ou seja, quanto mais quente estiver, menor será o tempo de vida deles. O aquecimento global pode interferir na expectativa de vida, mas essa redução pode contribuir para que a espécie «ganhe» mais gerações e evolua. Com mais ciclos de vida, é possível que eles tenham uma adaptação mais rápida ao aquecimento face aos animais de outras zonas climáticas do globo.
«O nosso modelo mostra que a vantagem evolutiva de um menor tempo de geração deve compensar as espécies que estão melhores adaptadas às faixas de temperatura. Prevemos que o risco relativo de extinção provavelmente será menor para as espécies tropicais do que para as de clima temperado», conclui.

Fonte: Diário Digital

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*