Assentamentos rurais concentram desmatamento no sul do Amazonas

Assentamos rurais cadastrados no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) no sul do Amazonas são os principais responsáveis pelo desmatamento detectado no estado entre 2009 e 2010. A análise é da Secretaria do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (SDS).

O órgão baseou-se em no último balanço divulgado nesta semana pelo Programa de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (Prodes) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), segundo o qual a Amazônia Legal perdeu 6.451 km² de florestas no período de um ano. Apesar de a área ser maior do que o território do Distrito Federal, o índice de desmatamento foi o menor já registrado desde que começaram as medições, em 1988.

A taxa de devastação caiu 13,6% no período, considerando a média para todos os estados. Mas cresceu 17% no Amazonas e 63% no Acre, únicos em que foi observada a intensificação do desmatamento entre 2009 e 2010.

A área desmatada no Amazonas, de 474 km², representa 7,35% do total detectado para a Amazônia Legal. Segundo a SDS, a observação de dados do Inpe permite concluir que a pressão por novos desmatamentos ocorre no sul do estado, sobretudo nos assentamentos rurais Acari, Aripuanã Guariba, Juma, Antimary, Terra Firme, Gedeão e Matupi.

O assentamento com maior área é o Aripuanã Guariba e tem mais de 122 mil km². Mas, segundo a SDS, apenas 80 famílias vivem no local. Já o Juma tem uma área de 6,8 mil km² e abriga 6.145 famílias, sendo o assentamento mais populoso entre os que mais desmataram no último ano.

De acordo com a SDS, a maior pressão por desmatamento no Acre influenciou novas derrubadas no Amazonas. O município em que esse efeito fica mais evidente é Boca do Acre, que fica na divisa e é cortado por estradas secundárias criadas para a extração de madeira da floresta.

O órgão também destaca que o Prodes ainda não considerou uma reformulação territorial entre o Amazonas e o Acre, instituída em 2008 pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo a determinação, uma área de 1,2 milhões de hectares foram repassadas ao estado vizinho naquele ano.

Segundo o Plano Estadual de Prevenção e Controle ao Desmatamento do AM, o estado tinha a meta de reduzir em 38% o desmatamento até 2010, tomando como base taxas observadas entre 1996 e 2005. Segundo a SDS, os índices registrados nos últimos anos estão dentro do prevista para alcançar esta meta.

Fonte: Globo – Amazônia

Esta entrada foi publicada em Notícias e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*